Gleidson Araújo

Em 1991, aos onze anos de idade, iniciou o seu aprendizado ao violão tendo como professor o seu irmão EDUARDO ARAÚJO quem posteriormente lhe conduziria ao profissionalismo na música como violonista e professor. Decidido por outra trajetória musical começou a tocar guitarra em conjuntos musicais, porém ao completar quinze anos de idade retoma o estudo do violão com seu irmão revertendo definitivamente toda a sua energia musical para o violão. Convicto de sua dedicação ao estudo da música e do violão, começou a se apresentar como violonista em espaços alternativos e a ministrar suas primeiras aulas de violão, e com o desenvolvimento musical que adquiria, logo começou a tocar também em cerimônias de casamentos e outros eventos.

 

No ano de 1997 cria um sistema de aulas em domicílio: O SPAE (Sistema Personalizado em Atendimento e Ensino) e ainda se torna professor de música e violão em uma ONG localizada na Vila Nossa Senhora de Aparecida no aglomerado da Serra, ministrando lá até o ano de 2004.

 

Ainda no ano de 1997, preparado por seu irmão, é aprovado em primeiro lugar na prova de violão para o curso de Extensão em Música da UFMG, onde estudou como professor Flávio Barbeitas.

 

Em 1999 ingressa no conservatório da Escola de Música da UEMG, onde foi aluno do professor Alvimar Liberato até o ano de 2002. É também no ano de 1999 que ele conhece a FUNDAÇÃO de EDUCAÇÃO ARTÍSTICA (FEA), instituição que lhe concedeu através da professora BERENICE MENEGALLE uma bolsa de estudos. Lá aprende um novo sistema de linguagem musical: O método Kodally de leitura, tendo aulas com Guilherme Antonio (criação musical) Rubner de Abreu (musicalização, método Kodally de leitura, harmonia e história da música) dentre outros cursos e oficinas de música com outros professores.  Através do encontro com outros músicos na Fundação participa também de um grupo de música instrumental.

 

Mas é na FEA que no ano de 2004 se torna discípulo do mestre e pedagogo do violão o professor TEODOMIRO GOULART com quem ainda estuda até hoje aprendendo a utilizar o seu método de violão intitulado: “Violar - A aprendizagem e ensino do violão sob a dependência sensível das condições inicias”. Além de continuar estudando na FEA atualmente é monitor dos cursos básicos de musicalização da Fundação.

 

Dentre outras atividades desenvolve uma pesquisa sobre o compositor Adoniran Barbosa, com arranjos próprios para canto e violão de 6 e 7 cordas, e ainda um projeto de música instrumental para violão solo com arranjos de sua autoria. Para completar, atualmente cursa o bacharelado em violão pela Escola de Música da UEMG.